sexta-feira, 2 de novembro de 2012

28/10/2012 - Meia maratona de Pomerode 2012

Meia maratona de Pomerode 2012

A dúvida era grande. Após ter participado de uma corrida de 10 Km sábado no final da tarde eu também estava inscrito para a Meia maratona de Pomerode, no domingo pela manhã, ou seja, teria mais uns 21 Km pela frente. Pomerode é uma cidade tipicamente Alemã que fica mais ao norte e aproximadamente a 160 Km da grande Florianópolis. Pela limitação das estradas leva cerca de 2h15min de carro tocando direto. Isso significava que eu teria que acordar muito cedo também para poder ir.

Cheguei em casa na véspera não tão motivado pelo desgaste da corrida. Porém, com a inscrição feita e a possibilidade de poder dar uma passadinha no último dia da Oktoberfest após a prova, acabei criando coragem e indo. Acordei 3:30 da manhã e saí perto das 4:20. Acho que dormi somente umas 4 horas e meia. A BR-101 estava bem tranquila para dirigir, mas quando entramos pela BR-470 havia um certo movimento contrário. Era o pessoal voltando da Oktoberfest. Conseguimos chegar a Pomerode próximo das 6:45. Ainda estavam montando as estruturas da largada.

Por lá encontramos com o Eduardo Legal, a Carla e a Maluzinha, que novamente deram aquela força retirando o kit antecipado pra gente. Pensei que poucos atletas aqui da região fossem participar, mas havia algumas caravanas de assessorias esportivas em peso. E sempre aparece o pessoal conhecido aqui da região. Pelo que me lembro: Anselmo, Sueli, Luciana, Clécio, Denise, seu Argemiro.

Para o evento, havia a corrida rústica de 6 Km e a meia maratona com os seus 21,097 Km. A largada foi separada. Às 8 horas largaram os atletas da meia maratona e 15 minutos depois o pessoal da corrida rústica. Na largada eu já não estava com aquela adrenalina toda como de costume. Fiquei posicionado mais na posição intermediária.

O tempo estava bom para correr, ou pelo menos parecia, no início. A idéia era ir o melhor possível dentro das condições, e como parte da preparação para a Maratona de Curitiba, tentar manter um pace médio de 5 min/Km, para fechar a prova próximo de 1h45min.

Dada a largada, segui ao lado do Anselmo nos quilômetros iniciais, tentando me manter dentro do pace objetivo. Isso não durou muito tempo e o Anselmo disparou na frente. Estava indo bem no cumprimento do meu objetivo, mas já observava um certo esforço adicional para mantê-lo. Logo de início já estava com a boca seca e ao tentar pegar água no primeiro posto não consegui, pois estava congestionado. Passei batido. Esse foi o único posto que não me hidratei.

1º Km – 05:00
6º Km - 04:54
11º Km - 05:10
16º Km - 06:18
21º Km - 06:07
2º Km - 04:56
7º Km - 05:11
12º Km - 05:37
17º Km - 06:16
20 m - 00:08
3º Km - 04:51
8º Km - 04:51
13º Km - 05:30
18º Km - 06:28

4º Km - 04:58
9º Km - 05:08
14º Km - 05:30
19º Km - 06:30

5º Km - 05:00
10º Km - 05:22
15º Km - 06:14
20º Km - 06:36


A passagem pelos primeiros 5 quilômetros foi razoavelmente tranquila. Não estava no ritmo mais forte, pois a intenção era manter a regularidade, e isso eu estava conseguindo. No 6o Km ainda consegui manter o ritmo, mas a partir do 7o Km já senti que não seria o dia. Com alguns trechos de subidas o pace subiu, para não mais cair.

A temperatura que era agradável no início já estava aumentando, eu já estava pegando dois copos de água por posto e as minhas pernas já começavam a reclamar. Não estava conseguindo mais sustentar o pace de 5 min/Km.  Lá pelo 9o Km aproveitei para tomar um gel de carboidrato e ver se melhorava alguma coisa. Muito pelo contrário, a perna esquerda começou a dar as primeiras fisgadas. Imediatamente veio a lembrança da última maratona, que desmoronei no chão por causa da cãibra. Não estava nem na metade da meia maratona e lá estava ela.

Fui reduzindo aos poucos o ritmo nos quilômetros que se seguiram. De vez em quando caminhava, principalmente nos postos de hidratação. Tentava retomar um pouco mais forte, mas não estava conseguindo. Além disso, com o avanço do horário, o calor também aumentava e ficava insuportável. 

No 14oKm parei, dei uma alongada pra ver se melhorava a perna. No início melhorou um pouquinho, mas depois voltou de novo. Não tinha muito mais a ser feito. Era tentar concluir o último terço da prova com o freio de mão puxado. Todas as ultrapassagens que tinha feito no início foram desfeitas. Todos iam me passando aos poucos e eu tendo que respeitar o limite do meu corpo. É meio complicado ficar nessa situação, mas era isso ou correr um risco de não acabar.

Disseram que tinha um posto de Chopp no 15o Km. Eu nem vi e nem percebi. A essa altura eu até teria parado e curtido um pouco. Agora a alternância entre correr e caminhar já estava bem mais frequente. Não havia mais meta a ser batida, somente o de concluir a prova. Mesmo nesse ritmo mais baixo eu me sentia bem cansado. Avançava cada quilômetro com um esforço tremendo. Às vezes dava vontade de acelerar, mas logo a perna me lembrava que não era bom eu fazer isso. A minha alegria era ver um posto de hidratação. Aí eu dava uma caminhada, bebia a minha água e jogava um pouco na cabeça pra refrescar. O calor também castigava.

Já nos 3 quilômetros finais, o Clécio me alcançou e foi me acompanhando até o final. Ele queria puxar um pouco, mas eu não conseguia mesmo. O medo de dar uma passada mais forte me limitava. Nesse meio tempo o Egomar, que passava de moto, veio dar uma forcinha também. E fui levando assim até o fim.

Logicamente concluí a meia maratona de Pomerode com o meu pior tempo do ano, 1h56min35s. Mesmo assim fiquei contente em conseguir completar mais uma, a sexta em 2012. Ela já não me assusta mais como antes.

Dei uma descansada pra recobrar as forças. O chopp rolava de graça, mas a fila e a sede me faziam ir para o isotônico mesmo. Acho que tomei umas 3 garrafas. Não fiquei para ver a premiação. Eu e o Ênio decidimos fazer uma visitinha a Oktoberfest em Blumenau para almoçar e fazer algumas compras, pois estávamos lá pertinho e era o último dia do evento. Valeu o passeio.

Gostei do percurso da prova. Ano que vem eu volto, mas sem abusar na véspera. Em um dia normal seria ótimo para tentar bater um recorde pessoal, apesar de ser um “falso plano” em boa parte do trajeto. A hidratação foi boa, mas no início, pela concentração de atletas tive dificuldades de pegar um copo de água. No restante do trajeto estava excelente, inclusive com água geladinha e garrafa de isotônico. Não imaginava que teriam tantos atletas participando. Foram 801 concluintes. Acredito que em Santa Catarina só perdeu para a meia maratona de Florianópolis da O2.

Apesar de estar completamente ciente das condições, registro os principais fatores que com certeza prejudicaram a minha meia maratona. Não aconselho ninguém a fazer. A não ser que seja um “Louco por Corridas”.
1)       Ter corrido forte 10 Km na tarde anterior.
2)       Ter dormido pouco mais de 4 horas
3)       Ter viajado no dia da prova
4)       O calor durante a prova

 Por enquanto só eu, a estátua e o fotógrafo (Ênio)
 André, Eduardo Legal, Maluzinha, Sueli, eu e o Ênio
 Quase prontos para largar
 Lá vou eu. Não sabia o que me esperava
 Tempo bruto 1h57min29s. Tempo líquido: 1h56min35s
 Que medalhinha suada

Local: Pomerode / SC
Data: 28/10/2012 
Horário: 08:00 Hs 
Distância: 21,097 Km (21,020 Km) 

Inscrição: R$ 64,67  
Kit: Camiseta, chip descartável e Número do peito    

Tempo: 1h56min35s
Pace: 5:36 min/Km

Colocação: 56 de 96 (categoria 41-45 anos)
Colocação: 373 de 626 (masculino)
Colocação: 435 de 801 (geral)

4 comentários:

  1. Parabéns Eduardo!! Realmente o calor tava de matar... Essa tb foi uma corrida dura pra mim, tb fiquei longe de bater um recorde pessoal!! Nem vi o Clecio... na minha primeira meia ele praticamente foi me rebocando nos ultimos kilometros... isso pode parecer legal mas dependendo da situação é algo inconveniente pois a gente é que sabe e sente até onde podemos ir, com certeza devemos respeitar esse limite para não quebrar de vez. Fiquei no alojamento... fui um dia antes, mas quem disse que eu dormi alguma coisa... afff isso bate no psicológico tb e acaba influenciando na nossa performance. Mas cada prova é um aprendizado e uma festa de qq maneira né!! Mais uma vez, PARABÉNS!! ;)

    ResponderExcluir
  2. Olá Eduardo,
    Parabéns pela prova e principalmente pelo seu desempenho. Mesmo com os fatores que mencionou, você fez um ótimo tempo. Em condições normais o tempo seria outro. Também senti o calor, o clima estava muito abafado, o que aumentou o desgaste.
    É isso! Vamos para a próxima.
    Bons treinos.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Eduardo.
    Não é a toa que você está no grupo "Loucos por corrida". Gente do céu, como pode correr ainda em sub2h com tantas adversidades?
    Eu só posso dar os parabéns, seu pior tempo é o meu melhor em treinos de longão.kkk

    Abraços,
    Helena
    http://correndodebemcomavida.blogspot.com.br/
    @correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Helena. Tenho que fazer jus ao nome do grupo, né ? rs. Depois que a gente quebra o ritmo a sensação que dá é que vamos fazer um tempo absurdamente alto, mas vendo por outros olhos, no começo das minhas meias maratonas esse seria um resultado fantástico, sub-2h. Com o tempo vamos ficando mais exigentes. Não se preocupe, daqui uns tempos você também verá que o seu melhor tempo hoje vai ser o pior tempo. Muito obrigado e bons treinos. Abraços.

      Excluir