sexta-feira, 3 de novembro de 2017

29/10/2017 - 10ª Meia maratona de Pomerode / SC

Foto: Foco Radical
10ª Meia maratona de Pomerode / SC

Nesse ano a cidade de Pomerode foi brindada com uma edição especial em comemoração aos 10 anos de história da Meia Maratona de Pomerode. Tive a oportunidade de participar mais um vez, além de três outras edições anteriores, em 2012, 2015 e 2016. Uma das novidades foi a edição de outubro da Revista Corre Brasil que foi dedicada a contar um pouco dessa história, com fotos e relatos de atletas participantes dos anos anteriores. Fiquei muito feliz de ter feito parte dessa história e edição, com fotos das minhas participações nos três anos anteriores. Agradeço a Corre Brasil.


A inscrição eu já tinha feito bem antes, ainda no mês de fevereiro, aproveitando o lote promocional de R$ 64. Preço excelente para uma meia maratona festiva e ainda com direito a chopp no percurso e no final da prova. Hotel eu deixei pra reservar mais tarde e quase fiquei sem, ainda faltando mais de 2 meses para a meia. Consegui a última reserva no Timbó Park Hotel, em Timbó, que fica cerca de 20 minutos de carro do local da largada. Ficar em Pomerode facilita, mas as opções são mais restritas.

Na véspera da prova (sábado) eu e a Aninha saímos no final da manhã rumo a Pomerode. A viagem daqui da grande Florianópolis leva cerca de 2h15min com cerca de 160 Km. Fizemos um pit stop para almoçar na Churrascaria Rossini (espeto corrido por R$ 25) e depois seguimos viagem.

Chegando por lá fomos direto retirar os nossos kits no Parque Municipal de Eventos de Pomerode. Estrutura excelente com um feirinha com vários produtos voltados à corrida, cervejas artesanais, roupas e camisetas, tênis e chopps. O local era amplo, coberto e bem acolhedor. Outra grande surpresa foi a exposição de um grande painel de assinaturas e fotos, medalhas e troféus dos 10 anos de história da Meia de Pomerode. Também estávamos no painel. Como o dia estava quente não deu pra resistir a um choppinho. O meu era de vinho (R$ 12).


Encontramos vários amigos que vieram de vários locais do estado na retirada do kit. Nesse mesmo dia, como parte da programação, tinha a corrida trail run de 10 Km, em um percurso bastante desafiador subindo até o morro da antena, que podíamos avistar bem ao longe. Assistimos a largada com a participação de alguns amigos: Jany, Lú, Cesar August, Martinha e Mariana e depois seguimos para o hotel. Optamos por não ficar no jantar de massas (R$ 25) que seria servido às 19 horas nesse mesmo local.

O hotel que ficamos era bom, confortável e deu até para aproveitar a piscina. O dia estava quente, o que me deixou preocupado para a manhã da prova. A única coisa que me desagradou foi a não flexibilidade de adiantarem o café da manhã para às 5:30 da manhã, uma vez que a largada da meia maratona estava prevista para às 7 horas. Foi pedido de várias atletas que também estavam hospedados por lá, mas só adiantaram para às 6 horas. Resumo, perdemos o café da manhã do hotel e comi somente um pedaço de pizza da noite anterior.

Chegamos ao Parque Municipal de Eventos de Pomerode às 6 horas da manhã e ainda conseguimos vaga no estacionamento. Bom que achamos até um cafezinho para acordar e esquentar. Encontramos a Juciana e o Jabson e fomos para o local da largada no Pórtico Turístico Sul, junto a praça central de Pomerode (cerca de 500 metros de distância).

Além da meia maratona, a programação incluía uma prova de 6 Km com percurso diferente e pro lado oposto. Quem participou dessa prova foi o Enio e a prima dele. A Aninha também tinha feito essa distância no ano passado, e como prometido esse ano voltou para fazer a meia maratona.

Meu objetivo era tentar melhorar o tempo dos 21 Km do ano passado, 1h37min56s. Tinha esperança, mas não estava tão confiante por não ter me preparado para isso. As condições climáticas ajudaram e o dia amanheceu bem fresquinho e sem vento, muito bom para correr.

Às 7 horas foi dada a largada para os mais de 1.100 atletas da meia maratona. Eu tinha me posicionado mais ao meio e acabei saindo embolado, meio encaixotado. Geralmente em meias maratonas isso não é problema, pois tem muito tempo pra se recuperar e se considera o tempo líquido para a classificação.

O percurso não tem muito segredo. É uma reta só pela Av. 15 de Novembro até atingir cerca de 10,6 Km e volta pelo outro lado da via.


Apesar de não ter feito um bom 1º Km (4:47 min/Km) devido ao congestionamento inicial da largada, consegui me recuperar um pouco nos quilômetros que se seguiram e mantive o pace médio na casa dos 4:40 min/ Km até o 6º Km. Foi então que senti uma pequena dor na altura do coração ou próximo dele. Me preocupou um pouco. Não estava correndo no meu esforço normal, respirando muito mais forte que deveria.

Estava próximo do amigo Ronaldo Urbano, que corre em ritmo próximo do meu. Consegui acompanhá-lo durante um tempo, mas foi ficando cadas vez mais difícil desde então. O meu ritmo não encaixava e aos poucos o pace foi subindo. Também tentei acompanhar a amiga Elaine Borges que corria um pouco a minha frente e só consegui mesmo por alguns quilômetros.

Os postos de hidratação estavam distribuídos de 3 em 3 Km e nas minhas passagens estavam com água gelada. Eu intercalei pegando um copo de água em um e passando no outro. Não tomei gel de carboidrato e também nem tinha levado.

Apesar do percurso ser uma reta só e aparentemente plano, o trecho de ida tive a impressão de ser mais em descida, o que significaria que a volta seria mais em subida. Um pouco depois do 6º Km eu já sabia que não daria para brigar por um tempo melhor que no ano passado e a intenção ficou em tentar fazer ainda um sub 1h40min.

Me aproximando do retorno fui contando mais ou menos os atletas à minha frente que voltavam, e já passavam de 300. Quando cheguei no retorno, apesar de estar com paces acima de 4:40 min/Km, estava dentro do tempo para um sub 1h40, mas não poderia mais deixar cair o ritmo.

Como eu previa, a volta teve mais subidinhas e a partir do 11º Km minha segunda meta deixava de ser viável. O jeito foi administrar pra tentar chegar até o fim em um ritmo um pouco mais leve. Na volta é legal que vamos encontrando os amigos e amigas do outro lado, mesmo quase não conseguindo falar ou gritar. Lembro que passei pela Aninha e disse: quebrei !!!

Um pouco mais a frente, do outro lado da via, uma atleta que estava indo gritou o meu nome e disse: "Eu sou sua fã !!!". Pena que não consegui reconhecer quem era, pois foi muito rápido, mas fiquei super feliz e me deu uma injeção de ânimo pra prosseguir. Queria saber quem era e deixar aqui o meu agradecimento.

Segui em frente e os paces só aumentando, já passando de 5 min/Km. Na altura do 15º Km teve um posto de hidratação com copos de isotônico. Dei uma caminhada rápida para conseguir beber e fui em frente tentando ainda não extrapolar 1h45min de prova. Ainda prefiro os isotônicos em saquinhos ou em copos mais duros.

As subidinhas nessa parte final parece que se acentuaram e com as pernas já bem mais pesadas pareciam não ter fim. No Km 19 bateu aquela indecisão. Ao passar por uma bandinha que tocava para os atletas observei a tenda de "hidratação" com chopp. Eu seguia junto com alguns atletas por perto, alternando as posições. Vi que um deles abortou o bloco e literalmente parou para tomar o chopp. Eu resisti e optei por tomar só no final mesmo. Sei que sou meio fraco pra isso.

Na parte final tem aquela subidinha pela rua de paralelepípedos que é de matar. Eu já sabia e subi pela calçada para facilitar. Entrando pelo centro de eventos os atletas foram recebidos com um lindo corredor com tapete vermelho e flores, que davam um charme todo especial na chegada.

 

Consegui completar a meia maratona com o tempo líquido de 1h42min57s. Longe da minha melhor marca do ano passado, mas até que razoável pelo meu início descompassado. Descansei um pouco, tomei água, isotônico, comi melancia e encontrei alguns amigos das redes sociais como o Rodrigo Souza da R2 Run, e o casal William Pertile e Jessyca de Blumenau, que participaram da meia e foram lá dar uma alô também. Muito legal conhecê-los pessoalmente !!!

Depois sai correndo pra acompanhar a chegada da Aninha. Não demorou muito e avistei ela subindo a rua de paralelepípedo, conseguindo fazer o seu 2º melhor tempo em meias maratonas, mesmo tendo sofrido bastante com bolhas nos pés. Aí sim fomos beber aquele merecido chopp gelado. A fila estava meio comprida, mas andou rápido e valeu a pena pra dar aquela refrescada.

Depois da prova, na arena do evento, aconteceu a apresentação da bandinha, tinha também várias barracas com guloseimas como tapiocas, pastéis, pães, salgadinhos e docinhos, teve a tradicional disputa do topiador (serrar a tora em menos tempo), e a feirinha da prova que continuou até o final.

Por pouco não perdemos a premiação que demorou um pouco. Estávamos mais ou menos no limite para poder retornar ao hotel e fazer o check-out. Por sorte eles permitiram ficar até às 13:30. O amigo Jabson, conquistou a 3ª colocação numa boa disputa da categoria.

Mais uma vez a organização da Corre Brasil está de parabéns pelo belo evento que promoveu comemorando os 10 anos de história da Meia maratona de Pomerode. A distância de 21 Km teve um aumento siginificativo de 10% no número de concluintes em relação ao ano anterior, que já tinha crescido bastante. Só ouvi elogios de todos os amigos que estiveram presentes e a maioria deles disseram que querem voltar ano que vem. E nós também !!!



Percurso 2017 (21,18 Km)
Kit da meia maratona
Sempre nos encontramos e nunca combinamos. Eu, Aninha, Sabine e sua mãe
No painel de fotos, no topiador com a Aninha ano passado
Assistindo a largada do 10 Km Trail Run e saboreando um delicioso pastel
Jantar pré-meia maratona. Pizza Doctor X, em Timbó
Fazendo força
(Foto: Foco Radical)
Percurso razoavelmente plano e em uma reta só
(Foto: Mark - Foco Radical)
Reta de chegada muito linda
(Foto: Christian Mendes - Foco Radical)
Hidratação na chegada. Todo concluinte tinha direito a um copo de chopp
Na premiação, com o Jabson, Ju, Aninha, Sô e Fausto.
Medalha da Meia maratona de Pomerode 2017

Local: Portal turístico de Pomerode e Centro de Eventos - Pomerode/SC
Data: 29/10/2017
Horário: 7:00 Hs
Distância: 21,097 Km (21,18 Km)

Inscrição: R$ 64,00 (Primeiro lote)
Kit: Sacolinha, camiseta cinza, barra de cereal, revista Corre Brasil, chip descartável e número de peito.

Tempo: 1h42min57s
Pace: 4:52 min/Km
Tênis: Asics Noosa FF

Colocação: 031 de 0095 (categoria 45-49 anos)
Colocação: 290 de 0776 (masculino)
Colocação: 324 de 1132 (geral)

terça-feira, 31 de outubro de 2017

26/10/2017 - Smart Run - Smart Fit Coqueiros

Smart Run - Smart Fit Coqueiros - FLN/SC

Em meados do mês de Outubro a academia Smart Fit anunciou mais uma edição da Smart Run na unidade de Coqueiros, onde venho praticando musculação há pouco mais de um ano. Nessa mesma data também estava programada em algumas outras unidades da Smart Fit, em Santa Catarina. 

Raras são as vezes que vou na academia pra correr na esteira. Geralmente deixo isso pra fazer em área externa. Mas como a gente gosta de uma corrida e uma boa competição não íamos perder a oportunidade de participar desse desafio. Confirmei a minha inscrição e a Aninha também a dela. Acabamos marcando pra última bateria da noite e corremos juntos. Isso foi sem combinar.

A Smart Run é para os usuários matriculados na academia Smart Fit e cada um participa na sua unidade de origem. A ideia do desafio é correr a maior distância possível na esteira durante exatos 20 minutos. Dessa forma cada um trabalha a velocidade que melhor lhe convier e suportar.


Para incentivar o pessoal teve premiação para os três primeiros colocados, com medalhas, bolsas, squeezes, e até um phone para os campeões no feminino e masculino.

A nossa bateria, das 21 horas, foi a última do dia da Smart Run. Foram 5 participantes e cada um foi começando com intervalos em relação ao outro para facilitar a verificação do término por parte do árbitro. A Aninha foi a primeira que começou e eu aproveitei pra ficar fazendo alguns registros enquanto ela corria e eu me aquecia.


Uns três minutos depois foi a minha vez. Coloquei o clip de segurança preso a bermuda e comecei. Tinha decidido mudar a estratégia em relação a última vez e já comecei com a velocidade de 14,5 Km/h. Perde-se uns 30 segundos até a esteira atingir a velocidade programada, pois ela sobe gradativamente. Pensei em correr nessa velocidade até uns 10 minutos. 

Como senti que estava bem aumentei a velocidade para 15 Km/h aos 5 minutos. Tentaria correr nesse pace de 4 min/Km até onde fosse possível. Não tinha expectativa que fosse muito longe nessa intensidade. 

O relógio avançava, o fôlego estava acabando, e as pernas pesando, mas seguia concentrado para não precisar diminuir a velocidade. Depois dos 15 minutos foi ficando mais difícil manter o pace e sentia que o esforço estava chegando no limite.

Enquanto corria acompanhava também a Aninha, que estava na esteira do meu lado. Ela finalizou a sua participação sustentando bem o ritmo até o final, cravando a distância de 4,1 Km. Melhorou muito em relação a última vez. Com certeza estaria bem classificada.

Restavam ainda 3 minutos para mim, e eu já estava pedindo água, mas não queria abaixar a velocidade. Cada minuto parecia demorar uma eternidade naquela intensidade. Até que, quando estava chegando aos 19 minutos, já me preparando pra tentar dar um sprint final, bobeei. Deixei o corpo ir um pouco mais pra trás. Isso fez com que o cordão que estava preso ao clipe esticasse demais e desarmasse a esteira. Ela parou imediatamente. Só lembro de estar com 4,65 Km no display.

Na hora eu fiquei muito frustrado com o ocorrido, pois já tinha sustentado o ritmo até aquele momento e queria acabar. Tenho certeza que conseguiria chegar próximo dos 4,9 Km, pois vinha acompanhando de perto. Mas paciência, agora eu aprendi o que não devo fazer. Mesmo assim foi considerada a quilometragem que tinha corrido até então, os 4,65 Km. Não foi de todo mal.


No final recebemos um kit de participação composto por uma sacolinha e toalhinha da Smart Fit e amostras de termogênico. Lembrando que para participar não precisamos pagar nada a mais, e todos que correram ganharam esse kit.

Fim de prova e devido registro com o árbitro Rodrigo e os corredores da nossa bateria. Fiquei muito contente pela Aninha, que conseguiu aumentar mais de 300 metros da sua última participação e passou da barreira dos 4 Km, ficando entre as TOP 5. Eu acabei ficando na 14ª colocação, satisfeito por ter conseguido sustentar o pace médio de 4:05 min/Km. Feito esse que eu nunca consegui nas corridas de rua nessa distância.

Com o árbitro/instrutor Rodrigo e os atletas da bateria das 21 horas
Missão cumprida

Resultados Feminino e Masculino da Smart Fit Unidade de Coqueiros


Local: Smart Fit - Unidade Coqueiros - FLN/SC
Data: 26/10/2017
Horário: 9:00 Hs
Distância: 4,65 Km

Inscrição: gratuito (para matriculados da Smart fit)
Kit: Sacolinha e toalhinha da Smart Fit e amostras de termogênico

Tempo: 19min00s
Pace: 4:05 min/Km
Tênis: Asics Noosa FF

Colocação: 14 de 45 (geral)

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

22/10/2017 - Corrida e Caminhada das Mulheres e Desafio dos Homens

Foto: Foco Radical
Corrida e Caminhada das Mulheres e Desafio dos Homens - São José / SC


Esse final de semana seria para fazer um bom treino preparativo para a Meia Maratona de Pomerode, mas como essa corrida é no quintal de casa, eu e a Aninha resolvemos encarar mais uma corridinha com distância de 5 Km. A prova principal que está na sua 2ª edição é dedicada às mulheres, mas para não deixar a gente com vontade tem também a corrida Desafio dos Homens.

A organização da prova foi da ACORSJ, que disponibilizou para as opções de caminhada, 5 Km e de 10 Km. Um dos principais atrativos foi a premiação em dinheiro para os primeiros colocados. Isso atraiu atletas de outras regiões do estado de Santa Catarina. Como a corrida era das mulheres as premiações foram mais generosas para elas, com valores maiores e premiação por faixa etária nas distâncias de 5 Km e 10 Km.



Para retirar o kit o local ficou meio fora de mão. Apesar da corrida ser na beira mar de São José a entrega foi na Decathlon da SC-401 em Florianópolis. Para aqueles que vão de carro a vantagem é que lá tem amplo estacionamento próprio e gratuito. O problema mesmo é resistir e sair de lá sem comprar nada. Eu, a Aninha e mais alguns amigos que encontramos por lá não resistimos. Detalhe que a forte chuva que caiu fez com que ficássemos por mais tempo na loja atrás das novidades.

No dia do evento a arena estava toda montada próximo a Fundação Municipal de Esportes e Lazer de São José, como na maioria das corridas por aqui. Esse local fica a menos de 1 Km aqui de casa e não perco muito tempo pra me deslocar. Isso é bom, pois dá pra dormir um pouco mais. Mesmo assim fomos de carro, chegando por lá às 7 horas. Também é fácil para estacionar por perto.

As largadas foram divididas. Primeiro foram as mulheres da caminhada e das distâncias de 5 Km e 10 Km, que largaram simultaneamente às 8 horas. Os homens ficaram assistindo nesse primeiro momento. Aproveitei para fazer o vídeo da largada e da passagem delas logo após o 1º Km pela ciclovia da beira mar de São José.

Exatamente quinze minutos depois foi a vez dos homens largarem. Não eram tantos quanto as mulheres, mas estávamos lá marcando presença. Também tínhamos como opções as distâncias de 5 Km e 10 Km, sendo que para os 5 Km seria dada 1 volta e para os 10 Km seriam 2 voltas. Como eu estou naquelas de sofrer durante menos tempo, mesmo que seja mais intenso, encarei os 5 Km somente.

Igualmente as mulheres, saímos no sentido de Florianópolis, percorrendo cerca de 650 metros até virarmos à direita na divisa entre os dois municípios. Nesse ponto saímos de umas das faixas da pista, que estava fechada para os atletas, e entramos pela ciclovia.

Nesse 1º Km corri sem exageros, ainda meio encaixotado pela concentração inicial dos atletas que largaram todos empolgados. Ao chegar a ciclovia e até o meio dela consegui manter o pace abaixo de 4:20 min/Km que para mim é razoável nessa distância. Avançando um pouco mais, com a ação do vento que soprava contra, meu pace foi subindo e no 3º Km fechou em 4:32 min/Km. Pela minha experiência prática quando pego esse vento mais forte contrário sei que perco de 10 a 15 segundos por Km. E foi bem isso que aconteceu, além de ter forçado um pouco mais.

Com cerca de 3,2 Km percorridos chegamos ao retorno na outra ponta da beira mar de São José. Passei batido pelos postos de hidratação. Deixei pra depois da chegada. Pensei que então que na volta o vento colaboraria um pouco e foi o que aconteceu no 4º Km, baixando o pace para 4:22 min/Km. O problema é que eu já estava muito cansado do esforço anterior. A respiração no limite.

A seguir tem um comparativo dos tempos e passagens acumuladas entre essa e a corrida da semana passada "Corrida pela Paz". Interessante que os números ficaram bem próximos e a diferença de tempo na passagem dos 5 Km foi de 1 segundo.


Voltando à prova, o meu último quilômetro sofreu uma queda no ritmo novamente. Já estava querendo caminhar, e só não o fiz porque tinha outros atletas próximos e não queria perder o bonde. Meu alívio veio quando chegou a entrada para os atletas dos 5 Km. Virei à direita e cruzei o portal de chegada. Os atletas dos 10 Km seguiram reto e abriram a 2ª volta. Ainda bem que fiquei por ali mesmo. Não aguentava mais.

O meu tempo líquido fechou em 22min48s. Razoável, considerando que os 5 Km tiveram uns 200 metros a mais. Na arena de chegada, uma boa parte das mulheres já tinham chegado, pois tinham largado antes. Vi poucos homens por ali ainda, o que levava a crer ter conseguido uma boa colocação.

Recebi a medalha, bem bonita, com destaque maior alusivo às mulheres. Minha hidratação inicial pós-prova foi um copo de coca-cola e um pedaço de melancia. Sei que refrigerante não é das melhores opções de bebida, mas é muito bom ao final de uma prova intensa.

Logo fui encontrar a Aninha que tinha feito os 5 Km e já tinha chegado também. Ela estava meio gripada nesse dia, e mesmo assim conseguiu fazer a prova em um bom tempo. Enquanto descansávamos ficamos assistindo a chegada dos amigos dos 10 Km, que não demoraram muito a vir.

A premiação demorou um pouco, pois tiveram várias faixas etárias (de 10 em 10 anos) nos 5 e 10 Km. Eu fiquei na 11º colocação geral masculina nos 5 Km. Gostei do resultado. Pena que no masculino só tiveram troféus para as faixas etárias nos 10 Km. Nos 5 Km eu fiquei em 3º colocado na minha categoria 40-49 anos. No geral o amigo Jabson conquistou a 4ª colocação e a Jocélia a 2ª colocação nos 10 Km . Ambos levaram um dinheirinho pra casa. Grandes atletas !!! Ainda durante a premiação teve vários sorteios, mas como o azarado aqui não ganha nem par ou ímpar fui pra casa de mãos vazias. Eram umas cestas bem bonitas.

Dessa vez, como o horário avançou, não deu pra ir tomar o tradicional café da manha, pois já estava mais para a hora do almoço.

Percurso - 5 Km 1 volta e 10 Km 2 voltas

Kit da corrida
Retirada do kit na Loja Decatlhon

Um pouco antes da largada
Com o James e o Enio do Por falar em corrida antes da largada

Largada das mulheres
Eu e a Aninha com as lindas medalhas
As mulheres na expectativa da premiação
Eu, James e Jabson. Essa categoria não é fraca não !!!

Local: Beira mar de São José / SC
Data: 22/10/2017
Horário: 8:15 Hs (Largada dos homens)
Distância: 5Km (5,21 Km)

Inscrição: R$ 30,00 (em grupo)
Kit: Camiseta, barra de cereal, número de peito e chip descartável.

Tempo: 22min48s
Pace: 4:23 min/Km
Tênis: Asics Hyper Speed

Colocação: 003 de 011 (40-49 anos)
Colocação: 011 de 064 (masculino)
Colocação: 014 de 231 (geral)

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

15/10/2017 - Corrida pela Paz - FLN/SC

Foto: Fabrício Jachowicz - Foco Radical

Corrida pela Paz 2017 - FLN/SC


Essa foi a minha 9ª participação seguida na Corrida pela Paz - No Drogas desde que comecei a correr, em 2009. Lembro que nessa ocasião a prova era gratuita e também recebíamos uma linda camiseta. Conforme informações do idealizador da prova, Isaac Amar, ao todo foram 10 edições, portanto eu não devo ter participado da edição de 2008. Época que ainda nem imaginava ser um corredor.

Novamente a organização ficou por conta da Corre Brasil, que já conta com uma boa estrutura para atender a eventos desse porte. Com as opções de distâncias de 5 Km e 10 Km, optei pelos 5 Km, como nos anos anteriores. A mudança da prova para a beira mar continental nos últimos 2 anos possibilitou que ela pudesse ser melhor aferida, sendo uma boa chance para se bater um recorde pessoal.

Esse ano a corrida aconteceu em um domingo de emenda de feriado prolongado (12 de outubro), favorecendo alguns atletas que vieram de outras regiões e não podendo contar com outros da região que optaram por passear fora da grande Florianópolis. Talvez esse tenha sido um dos motivos da queda no número de concluintes em relação a 2016.


A entrega do kit, como nos anos anteriores, aconteceu nos dois dias que antecederam a prova, na Loja da Magazine Luíza, no centro de Florianópolis. Como sexta-feira não precisei trabalhar facilitou a ida para a retirada do kit. e aproveitei para fazer umas compras e um passeio na região. O local não é dos mais fáceis para ir de carro, pois a loja fica no calçadão. Isso é meio chato. E lembrando, era necessário levar 1 Kg de alimento não perecível ou pacote de fralda geriátrica, a serem doados para algumas instituições.

Minha véspera de prova foi agitada, pois tive a cerimônia de crisma do meu sobrinho em Balneário Camboriú. Cheguei em casa somente a 1 hora da manhã, ou melhor, às 2 horas, pois nessa noite iniciava o horário de verão e tínhamos que adiantar o relógio em 1 hora. Duro mesmo foi acordar às 5 horas para me preparar para a prova. Menos mal que seriam só 5 Km.

Chegamos na beira mar continental umas 6:45 e ainda estava tudo bem tranquilo com muitos lugares para estacionar. Isso é uma das vantagens do local. O dia estava bom, fresquinho, mas com um ventinho. Aos poucos o pessoal foi chegando e pude notar uma certa preferência da maioria dos amigos pela distância dos 5 Km. Normalmente o pessoal prefere os 10 Km, mas por ser feita em duas voltas iguais acho que acabaram indo para os 5 Km.

Minha intenção para a prova era melhorar o tempo do ano passado, que foi de 21min37s. A briga pelo RP (recorde pessoal) na distância eu sabia que seria bem difícil conseguir, por causa da subidinha no final do 2º Km, e pelo vento que já se mostrava presente.

Toda a estrutura e tendas já estavam montadas, exceto os banheiros químicos, que chegaram cerca de meia hora antes da largada e provocou uma certa fila de espera para uso. Eu até precisava ir, mas entre ficar na fila aguardando e me posicionar melhor para a largada preferi a segunda opção. Também seria uma prova curta, com menos de 25 minutos.

Eu fiz um aquecimento de uns 10 minutos e juntamente com a Ana e o Enio do Por Falar em Corrida, aguardamos a largada bem próximo do portal. Diferentemente de outras provas, todos queriam fazer uma boa saída, sem perder muito tempo, e tentar superar as suas marcas pessoais nos 5 Km. Isso por causa do percurso favorável e pela distância aferida.

Às 8 horas foi dada a largada para os atletas portadores de necessidades especiais. Alguns minutos depois foi a vez de todos os outros atletas dos 5 Km e 10 Km, que partiram também pela pista da Av. beira mar do estreito no sentido da Ponte Hercílio Luz.

Larguei consciente de não exagerar no 1º Km, pois sabia que logo viria a subidinha quebra ritmo, próximo da Ponte. Além disso, sabia que na ida o vento soprava contra. Estava indo em um pace bom e demorei até conseguir alcançar o amigo Enio, que além de correr forte estava fazendo umas gravações para o PODCAST, confiram aqui.

Quase finalizando o 2º Km lá estava ela nos aguardando, aquela pequena subidinha que tira a gente do "conforto", força as pernas e o batimento cardíaco, além de elevar alguns segundos do nosso tempo. Não acho que ela afete muito o quilômetro em questão, mas o esforço empenhado compromete um pouco o restante da prova, pelo menos pra mim. Muito difícil dosar isso.


O retorno foi feito em frente ao IFSC, em Coqueiros, e nessa altura até o final do 3º Km consegui fazer o meu melhor pace, 4:16 min/Km. Eu tinha passado por uns 2 postos de água, mas em provas de 5 Km eu pulo. Não gosto de perder tempo algum. Imaginei que a volta fosse ficar um pouco mais fácil com a ajuda do vento, que agora era favorável.

Entretanto, acho que o esforço inicial minou as minhas forças e o 4º Km acabou sendo o pior de todos. Um fato curioso que eu percebi é que nesse quilômetro (4º Km) o meu pace sobe em quase todas as provas de 5 Km. Preciso estudar essa questão e tentar administrar melhor na prova. Com isso eu já sabia que não daria pra melhorar o meu tempo de 2016, e até pensei que fosse ficar bem longe.

No último quilômetro voltei a acelerar e o desafio agora era não deixar escapar o sub-22. Não vinha com muitos atletas ao redor e a briga era mesmo com o relógio. Me aproximando do portal, em um esforço final, vi o relógio na minha frente virando para os 22 min. E agora ? Se desse sub-22 ia ser no acerto do tempo líquido. Até no meu Garmin, que cravei um pouco depois de chegar, tinha dado 22min05s.

Cheguei, tomei uns 2 copos de água, recebi a medalha e logo em seguida chegou o Enio e o Pertino. Não sabia, mas eles vieram quase colados atrás com menos de 1 min de diferença. Fui correndo então ver a chegada da Aninha e quase perdi, pois ela veio um pouco depois, fechando os 5 Km muito bem com 25min03s. Ela conseguiu fazer o seu novo RP. Só ficou lamentando os 4 segundos para o sub-25min. Na próxima sai. Aliás, o Enio também conseguiu bater o seu RP, com 22min46s. Só eu mesmo que fiquei na vontade, com o tempo líquido final de 21min57.

Nos recuperamos assistindo a chegada dos amigos que completavam a distância dos 10 Km. Enquanto isso encontrei alguns amigos virtuais, que finalmente pude conhecer pessoalmente, como a Juliane Lust, de Balneário Camboriú, que está mudando a sua vida também empolgada com o mundo das corridas. Também veio conversar comigo o Sérgio Zampieri, que tem um projeto interessante de correr em vários locais pelo Brasil e pelo mundo. Gostei muito da ideia.

Aguardamos a premiação, que demorou um pouco, mas o ambiente estava gostoso, conversando com os amigos. Um dos atrativos da prova é que são premiados os atletas nas faixas etárias de 5 em 5 anos, tanto nos 10Km como nos 5Km e do 1º ao 5º colocado. Fiquei muito feliz pela Aninha que além de fazer o seu RP nos 5 Km conquistou a 4ª colocação na categoria. Na minha faixa etária (45-49 anos) o amigo Jabson foi o campeão. Curiosidade é que no ano passado com quase esse mesmo tempo eu tinha ficado na 5ª colocação da categoria, e esse ano fui para 12ª colocação, bem mais disputada. Pra ficar entre os 5 primeiros era necessário fazer sub-20min !!!

No finalzinho, antes de irmos embora, teve uma surpresa para o nosso amigo Nilton Generini do CorridasSC. Foi a entrega da tela que Ana pintou para ele. Aliás, muito linda !!! Agora só falta a minha...eba !!!. Depois, como a fome apertou, fomos tomar um bom café da manhã na habitual padaria Big Pan.

Percurso - 5 Km 1 volta e 10 Km 2 voltas

Kit da corrida
Coinscidência ou não ?!!!
Loucos por Corridas, Corridas SC e Por Falar em Corrida
Eu e a Aninha em um dos painéis
 Eu, a Aninha e o Enio. Prontos para a largada
 Um mar de atletas. Eu estou ali atrás !!!
 Eu e o Jorge no 1º Km.
(Foto/Vídeo: Enio - Por Falar em Corrida)   


 Sprint Final
(Foto: Alexandre Carvalho - Foco Radical) 

  Chegada contra o relógio. Pelo tempo do portal não deu, mas no tempo líquido foi sub-22min.
(Foto: Corre Brasil) 
 Com a Aninha e a Juliane Lust de Balneário Camboriú
Com Sérgio Zampieri, corredor pelo mundo
 Pódio da  4ª colocação da categoria pra Aninha, com direito a RP nos 5 Km 
Só comemoração, com os amigos Jabson e Juciana.
Medalha da Corrida pela Paz 2017

Local: Beira mar continental do Estreito - FLN/SC
Data: 15/10/2017
Horário: 8:00 Hs
Distância: 5Km (5,03 Km)

Inscrição: R$ 44,00 (segundo lote)
Kit: Camiseta, tablete de castanhas com café, número de peito e chip descartável.

Tempo: 21min57s
Pace: 4:23 min/Km
Tênis: Asics Piranha

Colocação: 012 de 030 (45-49 anos)
Colocação: 077 de 369 (masculino)
Colocação: 086 de 807 (geral)